Mamoplastia Redutora

Atenção: O vídeo, animações e conteúdos abaixo são representações simplificadas e genéricas dos diversos procedimentos cirúrgicos. Cada paciente individualmente pode ter uma escolha de técnica cirúrgica, evolução pós operatória, resultados e cicatrização diferentes.

Os seios naturalmente grandes e volumosos acarretam problemas de saúde e uma queda na auto-estima, afetando a vida da mulher.

As conseqüências do excesso mamário vão desde dores nos ombros, pescoço, coluna e marcas profundas do sutiã.
Interferem também na rotina diária. Questões simples como praticar exercícios físicos e escolher roupas, acabam tornando-se um incômodo.

As principais causas do volume excessivo das mamas são a genética e os estímulos hormonais.
Já a flacidez é causada pelo envelhecimento, perda acentuada de peso e amamentação.

A mamoplastia redutora pode ser feita com ou sem implantes de silicone. O uso de próteses é indicada para mulheres que, além de hipertrofia (seios grandes), apresentam-se com grande excesso de pele e flacidez mamária. Nesses casos, o resultado estético tardio da mamoplastia redutora é geralmente insatisfatório. Para evitar o retorno precoce destas pacientes solicitando colocação de próteses mamárias, temos procurado, cada vez mais, realizar os dois procedimentos num único tempo cirúrgico. A associação da redução mamária com inclusão de próteses tem proporcionado resultados duradouros e mais compatíveis com o padrão de beleza atual: mamas bem projetadas, com menos flacidez, cicatrizes menores e consistência semelhante à mamoplastia de aumento

Indicações da Mamoplastia Redutora

A Mamoplastia é indicada para reduzir o volume mamário, para corrigir a forma e a flacidez das mamas.

A cirurgia deve ser realizada preferencialmente após o desenvolvimento total das mamas, que geralmente ocorre no final da puberdade.

É importante ressaltar que cada pessoa tem um desenvolvimento glandular e hormonal diferente.

O momento ideal para realizar a cirurgia será indicado pelo seu médico.

Anatomia das Mamas

As mamas estão localizadas acima dos músculos peitorais da mulher.

Elas são constituídas por tecido glandular e ductos responsáveis pela produção e condução do leite.

Ao redor do tecido glandular, há o tecido gorduroso e os ligamentos responsáveis pelo preenchimento e sustentação das mamas.

Essa estrutura tão importante no corpo feminino pode sofrer mudanças com a idade, variação hormonal, gestação, ganho e perda de peso, acidentes e doenças.

Técnica Cirúrgica da Mamoplastia Redutora

Vamos mostrar agora como é realizada a Mamoplastia.

A escolha da técnica cirúrgica adotada leva em conta o tamanho e o grau de flacidez das mamas.

A incisão pode ser em torno da aréola, podendo prolongar-se até a porção central do pólo inferior da mama ou, como na maioria dos casos englobar quase todo o pólo inferior, em “T invertido”.

Nesta técnica é realizada uma incisão ao redor da aréola, para reposicioná-la e reduzir seu tamanho, se houver necessidade. A pele do novo local da aréola e do pólo inferior da mama é retirada. Em seguida remove-se o excesso de tecido glandular e gorduroso da mama, reduzindo o volume mamário.

Nos casos de queda, é realizada a remodelagem das mamas. A aréola é elevada e as incisões são aproximadas, resultando em uma cicatriz vertical e outra horizontal no sulco mamário.

Para retirar o excesso de gordura nas laterais do tórax, a Lipoaspiração pode ser associada à cirurgia.

Um pequeno dreno também poderá ser colocado, auxiliando na recuperação. Esse dreno será retirado nos dias seguintes à cirurgia.

Nos casos em que se deseja corrigir a flacidez, além de reduzir volume, é possível colocar uma prótese mamária, seguida de retirada do excesso de pele e reposicionamento da aréola.

Devido as incisões serem realizadas na parte inferior da mama, a paciente poderá usar decotes e biquínis sem medo de mostrar a cicatriz.

Com o passar do tempo, as cicatrizes vão amadurecendo e ficando menos visíveis.

O processo de cicatrização pode levar até alguns meses.

A diminuição do volume mamário e a correção da flacidez trazem muitos benefícios em troca de algumas cicatrizes, cujo tamanho e forma dependem de cada caso.

Recomendações pré operatórias para Mamoplastia Redutora

Comunicar-se até 2 dias antes da cirurgia, em caso de gripe, indisposição ou qualquer alteração do estado de saúde.
Jejum pré operatório de 8 hs. Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito fartas, na véspera da cirurgia.
Parar de fumar no mínimo 30 dias antes da cirurgia.
Medicamentos: evitar qualquer medicamento que contenha AAS (ácido acetilsalicílico), Ginkgobiloba, Vitamina E, Ginseng, Gengibre, Chá de Picão, Arnica, Castanha da Índia e Cápsulas de Alho, pelo menos 10 dias antes da cirurgia, pois poderão interferir no processo de coagulação. Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 30 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos. O uso de Anticoncepcional deve ser interrompido, se possível, 30 dias antes da cirurgia, pois aumenta o risco trombose venosa profunda. Neste período é importante usar outro método anticonceptivo (preservativo).
Programar suas atividades profissionais, sociais ou domésticas para não se tornar indispensável a terceiros, por 7 a 15 dias.
Tomar banho no dia da cirurgia com sabonete líquido bactericida. Não passar cremes ou óleos na pele. Chegar no hospital 60 minutos antes do horário da cirurgia. Levar roupas fáceis de vestir, de preferência uma blusa de abotoar. O (a) acompanhante é de extrema importância.
Não se esqueça de trazer o soutien cirúrgico pois será colocado imediatamente após terminada a cirurgia.

Recomendações pós operatórias para Mamoplastia Redutora

Evitar esforços por 15 dias, sobretudo nas primeiras 72 hs, incluindo elevação dos braços acima da altura dos ombros. Atividades físicas relativas aos membros inferiores, poderão ser reiniciados após 30 dias, evitando-se alto impacto. Exercícios que envolvam o tórax e membros superiores, somente após 3 meses.
Alimentação: alimente-se saudavelmente, principalmente à base de proteínas (carnes, ovos e laticínios) e vitaminas (frutas) e hidrate-se bastante. Dietas nesta fase podem ser prejudiciais.
Banho será liberado no dia seguinte à cirurgia. O primeiro banho deve ser morno a frio (evitar água quente sobre as mamas nos primeiros 3 dias) e com um banco sempre por perto. Tonteiras podem ocorrer, mas passam com 1 a 2 dias. Quando isso acontecer, deite e posicione as pernas em um nível mais elevado que a cabeça e logo vai melhorar. Retire o curativo no primeiro banho e lave a cicatriz cirúrgica com água e sabonete líquido bactericida. Cubra a cicatriz com absorventes finos (protetores diários), sem fixá-los, e coloque o soutien cirúrgico.
Os curativos devem ser trocados a cada banho.
O primeiro retorno geralmente será feito no dia seguinte à cirurgia.
Ao dormir: durante os 7 primeiros dias, deitar de costas com o tronco mais elevado (dois travesseiros). Depois do sétimo dia já está liberada para dormir de lado. Não se deite de bruços durante 3 meses.
A retirada de pontos normalmente não dói e não sangra e é feita após 15 a 21 dias.
Peso: não carregar pesos acima de 5 kg, por 15 dias.
Dirigir automóvel: só depois de 15 dias.
Relação sexual: após 15 dias, evitando pressão sobre as mamas durante 2 meses.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião, e somente com ele, quaisquer dúvidas.
Poderá ocorrer eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos da cicatriz. Não se preocupe, pois isto não significa complicação.
O soutien cirúrgico deverá ser usado por 60 dias.
Massagem ou drenagem linfática das mamas, não devem ser realizadas.
Sol: desde que não incida sobre as cicatrizes, decote ou ainda áreas eventualmente roxas, é liberado após 60 dias. Usar protetor solar. Proteger a cicatriz de exposição solar direta (com fita de micropore) por 6 meses.
Caso você tenha animal de estimação em casa (cão ou gato), evite contato direto com eles nos primeiros 20 dias de pós-operatório e, em hipótese alguma os deixe subir em seu leito. O contato com qualquer tipo de secreção (especialmente a saliva de cães e gatos) pode elevar o risco de contrair uma infecção com consequências potencialmente sérias.
Tenha paciência, pois por mais rápida e eficiente que tenha sido a intervenção, você deverá estar preparada para encarar certo edema (inchaço) pós-cirúrgico, assim como algum desconforto físico. Entre duas a três semanas, normalmente o inchaço e o desconforto já terão diminuído. Dores eventuais, em pontada, são comuns nos primeiros meses.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de esquecer-se que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno e consequentes transtornos.
Alta completa: após 1 ano você será submetida a nova consulta e a fotos pós-operatórias para controle da qualidade dos resultados. Na ocasião, se necessário, poderão ser sugeridos pequenos retoques para acomodar a pele ou melhorar as cicatrizes. Escolha com seu médico a época mais oportuna para estes pequenos procedimentos de refinamento da sua cirurgia.
Caso sejam usados drenos aspirativos em sua cirurgia, o esvaziamento do frasco coletor será feito somente no consultório, a cada 24 a 48 hs. Serão removidos em alguns dias, de acordo com o volume de líquido que esteja drenando.

IMPORTANTE: As informações contidas neste site são somente de caráter geral com o objetivo de divulgar conhecimentos na especialidade de Cirurgia Plástica. Estas informações não tem a pretensão de substituir etapas do tratamento médico ou indicar qualquer tipo de cirurgia. Você deve sempre procurar um médico adequadamente treinado para realizar os procedimentos mencionados neste site ou em qualquer outro na Internet.
a Internet.